Renda Extra Dólar volta a subir; entenda o impacto nos investimentos

Dólar volta a subir; entenda o impacto nos investimentos

Apesar das perdas recentes, moeda brasileira já se valorizou 12,58% frente ao dólar em 2022

Agência Estado
O dólar registrou alta de 2,29%, a R$ 4,9872, no início da tarde desta terça (26)

O dólar registrou alta de 2,29%, a R$ 4,9872, no início da tarde desta terça (26)

GILSON JUNIO/W9 PRESS/ESTADÃO CONTEÚDO-26/01/2022

O U.S. Dollar Index (DXY), índice que mede o desempenho do dólar+1,84% em comparação com a de outros mercados, já valorizou 6,04% desde o início do ano. Em relação à moeda brasileira, ele segue em baixa  e apresenta queda de 12,58% no ano.

Apesar do desempenho positivo em 2022, as altas recentes da moeda americana começam a assustar os brasileiros que esperavam o dólar abaixo de R$ 4,50. Na segunda-feira (25), a alta foi de 1,47%, cotado a R$ 4,87. No início da tarde desta terça-feira (26), a moeda registrava alta de 2,29%, a R$ 4,9872.

De acordo com Alexandre Espirito Santo, economista-chefe da Órama, a posição dos dirigentes do FED, banco central americano, sinalizando aumentos maiores nos juros americanos, e a possibilidade de a economia americana entrar em recessão até 2023, pressionaram o mercado, valorizando a moeda no final da semana passada.

Antes disso, no entanto, a alta do dólar já era observada no mundo inteiro e refletia o risco global, com o conflito entre Rússia e Ucrânia, o aumento da inflação no mundo e as restrições impostas na China, mas não era sentida no Brasil.

Em momentos de aversão ao risco, a moeda americana, assim como o mercado do país, é considerada o “porto seguro” dos investidores. Isso justifica a sua valorização frente às outras moedas do mundo.

No início da pandemia, um movimento similar ocorreu e o dólar teve altas expressivas, mas foi perdendo força à medida que os países superavam a pandemia e o mercado ficava otimista com a volta do consumo. No meio de 2021, o movimento se inverteu com o temor da inflação, e foi intensificado com a guerra.

Até a última sexta-feira (22), o real seguiu um percurso contrário, mas a resposta para essa “anomalia”, como descreve Guilherme Zanin, estrategista da Avenue, não representava uma mudança estrutural no Brasil que justificasse a valorização da moeda.

“Não saímos de um país que estava menos endividado, não tivemos nenhuma reforma fiscal significativa e o ambiente incerto continua, principalmente com as eleições no final do ano”, avalia Zanin.

A valorização do real frente ao dólar se dava, principalmente, pela soma de fatores externos. Um deles, segundo Zanin, foi a alta das commodities, consequência da guerra no leste europeu. O mercado brasileiro foi aquecido e valorizado, já que o país é um grande exportador de commodities.

Além disso, diante da instabilidade no mercado russo, fundos de investimentos que aplicavam na Rússia e tinham a obrigação por contrato de investir em mercados emergentes migraram para o Brasil, mercado que tinha se desvalorizado nos últimos anos, explica o estrategista da Avenue.

Entre as moedas de mercados emergentes, a brasileira foi a quarta que mais desvalorizou em quatro anos se comparada ao dólar, perdendo 39,70% do seu valor durante esse período. Após o pregão desta segunda-feira (25), ela ficou atrás apenas da lira turca, que perdeu mais de 260%; do peso chileno (-40,15%) e do peso colombiano (-39,71%).

Até o final do ano passado, o real ocupava o segundo lugar entre as mais desvalorizadas nos últimos quatro anos. A moeda brasileira cresceu 12,56% nos últimos seis meses.

Impulsionada por essa alta das commodities e pela entrada de capital estrangeiro, a Petrobras+0,43%, principal empresa do Brasil em receita líquida, teve o papel PETR4 valorizado em 15,94% desde o início do ano. Já o Ibovespa-1,77% registrou aumento de 5,59%, apesar das grandes perdas dos últimos dias.

Victor Beyruti, economista da Guide Investimentos, ainda pontua outro movimento que beneficiou a moeda brasileira: o carry trade, quando investidores pegam dinheiro emprestado em países com taxa de juros mais baixa e investem em países com taxa de juros mais altas.

“O carry trade foi muito favorecido porque o nosso Banco Central subiu os juros bem antes das economias desenvolvidas, além de estar em patamares elevados se comparado com nossos pares emergentes. Então a posição do Brasil é favorável para esse movimento”, pontua Beyruti. Segundo ele, o único país que está acima do Brasil no quesito juros é a Rússia, mas o risco para o investidor é bem maior.

“É uma operação de curto prazo, prática, mas ele não está investindo diretamente no Brasil, está investindo em títulos de dívida do governo. É positivo para a moeda, sim, mas a curto prazo. Uma hora ele precisará resgatar esse dinheiro, quando esse diferencial de juros se reduzir”, avalia Zanin. Essa fuga do capital estrangeiro começa a ser sentida pelo mercado. “O Brasil não se beneficia de um investimento estrangeiro, acaba sendo puramente um capital especulativo e não na economia real”, complementa.

No final de março, o Banco Fibra Macro revisou a estimativa sobre a evolução do câmbio brasileiro. A previsão atual dos analistas é de que a média do dólar em 2022 fique em R$ 5,06, uma queda expressiva em relação à estimativa anterior, de R$ 5,48.

Guilherme Zanin também acredita que essa apreciação do real não se manterá por muito tempo. “Existe um movimento de curto prazo, em que os investidores internacionais viram uma oportunidade o Brasil, fazendo com que o dólar caísse. Mas em uma janela de longo prazo, me preocupa que os fundamentos no Brasil não melhoraram de forma significativa, tivemos apenas uma melhora por causa das commodities, mas isso não deve ficar por muito tempo”, avalia o estrategista da Avenue.

Últimas