Minha historia Personal trainer sai de favela para montar negócio de sucesso com academia online

Personal trainer sai de favela para montar negócio de sucesso com academia online

Ricardo Lapa fundou a Academia Online Foguete em 2020, em meio às primeiras restrições impostas pela Covid-19

  • Minha historia | Johnny Negreiros, do R7*

Ideia de aulas ao vivo surgiu no início da pandemia de coronavírus.

Ideia de aulas ao vivo surgiu no início da pandemia de coronavírus.

Divulgação/Academia Online Foguete

Ricardo Lapa nasceu no Morro dos Macacos, na região da Vila Isabel, no Rio de Janeiro. Atualmente com 41 anos, ele é dono da Academia Online Foguete, que foi montada somente com seus próprios recursos. Não foi necessário financiamento bancário, por exemplo.

A plataforma conta com mais de 100 mil alunos. Ela está presente, de forma virtual, em oito países que falam português.

Em contato com R7, Lapa e equipe do Foguete informaram que as aulas ao vivo, são os produtos que mais atraem e retém o público. Feitas através do aplicativo de chamadas Zoom, “são o grande chamariz”.

Nesses treinos, um professor se comunica por vídeo com os alunos. Ao mesmo tempo, os exercícios a serem feitos são enviados a todos, por escrito, no chat do programa.

As aulas costumam ter, no mínimo, cerca de 150 participantes e duram aproximadamente 50 minutos. A todo momento, os instrutores pedem que os alunos deixem a câmera do Zoom aberta, com o objetivo de corrigir eventuais movimentos feitos de maneira errada.

No Brasil, o Foguete foi que aplicou esse modelo pela primeira vez. A ideia desse formato surgiu em março de 2020.

Naquele momento, artistas passaram a fazer shows em transmissões simultâneas. Inspirado, Lapa promoveu treinos em lives no Instagram.

Até então, Ricardo Lapa vendia vídeos com treinos por WhatsApp e uma plataforma de cursos online, a Hotmart. O professor tinha o apoio nas redes sociais de artistas como Thiago Martins e Bruno Gagliasso que contavam com o serviço de Lapa.

“A live do Instagram era para trazer a galera para conhecer meu treino. Quando acabava, era uma chuva de venda, a galera comprava muito”, detalha o treinador.

Lapa entrou para o mercado fitness da internet aos 31 anos, quando ainda atuava exclusivamente como personal trainer.

“Já comecei a fazer muito sucesso na unidade em que eu trabalhava, por sorte e competência. Em 2012, eu comecei dar aula para umas meninas que já estavam despontando como blogueira fitness, no início do Instagram”, explica.

Na sequência, o profissional passou a montar aulas para clientes pelo WhatsApp, com direito a vídeos dos exercícios feitos pelas influenciadoras digitais. O preço era de R$ 100.

“Aí, comecei a receber mensagens [dos usuários] que queriam fazer os treinos dessas meninas. Só que eu não tinha nenhuma noção de como seria isso e eu comecei a montar o meu primeiro carrinho de compras que foi pelo WhatsApp. Eu pegava o contato das pessoas, cobrava R$ 100 para montar o treino. Eu, já tinha e usava muito vídeo catalogado das minhas alunas que eu filmava”, relata.

Segundo ele, entre julho e agosto de 2020, suas aulas alcançaram o posto de primeiro lugar em vendas, na Hotmart, no território da América Latina. A marca foi alcançada com a comercialização de 155 mil produtos digitais.

Em resposta à reportagem, a Hotmart disse que essa informação “é algo sigiloso do criador de conteúdo na Hotmart, e não a disponibilizamos externamente, inclusive por conta da Lei Geral de Proteção de Dados (LGPD)”.

Nesse cenário, veio o coronavírus. Com ele, o crescimento do mercado online fitness no Brasil. Ricardo já estava “sete ou oito anos à frente" dos outros profissionais da área, segundo ele.

“Naquele momento eu era muito criticado. Nenhum aluno acreditava. Mas eu bati na tecla [da academia virtual]. As pessoas acreditavam, e continuam acreditando, que o treino só funciona dentro da academia física. É aquele pensamento de professor do lado do aluno”, diz.

No entanto, o modelo que adotava pelo aplicativo de mensagens passou a não suportar mais a demanda existente por causa do isolamento social.

Assim, com a inspiração no Instagram já mencionada, ele se viu na necessidade de abrir seu próprio portal e dar aulas em chamadas de vídeo. A Academia Online Foguete foi inaugurada em abril de 2021.

O faturamento da companhia não foi revelado. Contudo, o plano básico, que não dá direito às aulas ao vivo, custa R$ 29,99 por mês. Vale lembrar que são mais de 100 mil alunos e que a opção que contempla as aulas ao vivo tem preço de R$ 85,00 mensais.

Planos disponíveis no Foguete.
Planos disponíveis no Foguete. Reprodução/Academia Online Foguete

Com o crescimento do negócio, Lapa precisou contratar uma equipe só para tomar conta da empresa. Stelio Belchior é presidente-executivo da Academia Online Foguete. Ele ocupa o cargo desde outubro de 2021.

Por sua vez, Raphaela Pereira é sócia e esposa de Ricardo Lapa. Ela também é uma das professoras que dá aulas na plataforma.

Porém, para entender a história de sucesso de Ricardo Lapa, é necessário voltar ao ano de 1990.

Origem no morro

Aos oito anos de idade, Ricardo Lapa trabalhava na carvoaria de sua família. Isso, no Morro dos Macacos, no Rio de Janeiro.

É uma comunidade carente, né? As pessoas, às vezes, olham para mim… [sou] branquinho, de olho claro. A pessoa acha que nasci playboy, né? Mas ela não sabe o quanto a gente batalhou para conquistar [as coisas].

Ricardo Lapa, dono da Academia Online Foguete

Divulgação/Academia Online Foguete

Aos 18 anos, ainda atuava em negócios familiares. Lapa passou a fazer entregas de instrumentos de construção, como pedras e tijolos, de carro. Isso ocorreu assim que conseguiu a carteira de habilitação.

Enquanto isso, o carioca contou que sempre teve muito contato com a atividade física. Em relação especificamente à musculação, ele revelou que pratica desde os 13 anos.

“Na verdade, eu tenho vínculo com o esporte desde que eu me conheço como gente”, relata.

Aos 19 anos, entrou na faculdade de educação física, mas trancou o curso. Com 21 anos, passou a fazer nutrição no ensino superior, mas logo voltou a interromper seus estudos.

Lapa descobriu que seria pai, com 23 anos. Assim, decidiu virar taxista, como forma de se sustentar. Ficou na profissão até os 27.

Antes de deixar a profissão, voltou a cursar educação física. Ricardo Lapa se formou no ramo aos 30 anos pelo Centro Universitário Celso Lisboa, no Rio de Janeiro.

“Nesse período, eu ganhei o prêmio de melhor estagiário do Brasil, quando eu tinha entre 26 e 30 anos. Virei professor da academia Bodytech com 30 anos e ganhei o prêmio de melhor professor do Brasil da rede inteira da Bodytech”, afirma o professor e empresário.

*Estagiário do R7, sob supervisão de Ana Vinhas.

Minha história: conheça o cookie da cafeteria Duckbill

Últimas